Robotic Over Internet Protocol

  • +90 352 222 71 09
  • info@roboip.org

Professores aprendem a programar robots no Parque Tecnológico de Óbidos

Professores da Polónia, Itália, Turquia e Portugal estiveram em formação entre 8 e 15 de Setembro no Parque Tecnológico de Óbidos (PTO), com vista a desenvolver soluções tecnológicas e estudar a relação entre humanos e robots. Trata-se do projecto educativo RoboIP que inclui a participação na criação de soluções tecnológicas, a partilha de experiências e projetos desenvolvidos na área da robótica e que culminará no Festival de Robótica 2019, que decorrerá em Óbidos.
Leccionada por docentes da Escola de Robótica de Génova – que trouxeram um robot – esta formação avançada é única no país e permitiu aos professores portugueses terem acesso a ferramentas que lhes permite melhorar os conhecimentos na área das novas tecnologias.

Do ponto de vista educacional, esta iniciativa “é uma experiência muito rica”, refere Emanuele Micheli, professor e vice-presidente da Escola de Robótica de Génova. O docente italiano, citado numa nota de imprensa do PTO, diz que já é possível os humanos interagirem com robots. No entanto, adverte, é preciso saber interagir e daí a importância destas formações.
Luís Franco, professor de Linguagem de Programação nos cursos de Programação do Ensino Secundário do Agrupamento de Escolas Josefa D’Óbidos, e um dos formandos deste módulo, salienta que para os alunos esta “é uma forma de aprender sem darem por isso”.
Os docentes têm a vantagem de poderem contactar com profissionais e escolas de outros países para trocar experiências.
O RoboIP – Robotic Over Internet Protocol tem como parceiros a OBITEC – Associação Óbidos Ciência e Tecnologia/Parque Tecnológico de Óbidos (por Portugal), a Escola Secundária/Profissional de Slaski e a Empresa Answer2u Marcin Mazur (Polónia), duas escolas técnicas e profissionais/secundárias de Kayseri (Turquia), a Escola Secundária/Profissional de Génova e a Escola de Robótica de Génova – Centro de Educação e Formação (Itália). Em Outubro os coordenadores de cada organização parceira regressam a Óbidos para fazer ponto de situação do projecto.